16 de julho de 2012

Olá,

Estou aos poucos voltando ao trabalho normal.

Estamos em um mês de friozinho no ar (hemisfério sul), com muitas cobertas e blusas, nossa reação normal é encolhimento e proteção, e assim de certa forma nos associamos à natureza da travessia do Sol pelo zodíaco, que atravessa o signo de Câncer quando nos coloca nossa própria natureza humana e sensível. Meu objetivo neste céu é exatamente realçar esta peculiar sensibilidade canceriana.

Bom para admirar a obra de Rembrandt e pensar nas palavras do Dalai Lama, aqui temos alimento para olhos e mente. Mas uma boa dica é  olhar a natureza, Rembrandt disse que a pintura era neta da natureza, realmente a natureza é uma obra prima do criador!

beijos

Nádia Oliveira

 

CÉU DO MOMENTO

No céu desta semana, configurações celestes harmoniosas e tensas dividem espaço, é uma semana em que nossa própria natureza pode determinar o resultado de nossas empreitadas, uma boa oportunidade para pensar se  você costuma tirar o melhor proveito das situações ou se deixa abater ao encontrar obstáculos? Possui uma natureza mais empreendedora ou mais passiva?

Aqui a recomendação não é seguir o que é habitual em nossas atitudes e sim refletir sobre o que o momento determina como melhor e mais adequado. As vezes adotar a nossa postura padrão é adequado outras vezes não, neste segundo caso teremos que quebrar nossos próprios paradigmas.

Conhecer nossa maneira quase instintiva de enfrentar a vida é o primeiro passo para uma ação mais bem fundamentada. Neste caso, a Astrologia e o conhecimento do mapa astrológico natal é de imensa ajuda.

Muitas vezes ouço a pergunta: – é errado ser assim? Não, obviamente não é errado, mas em algumas situações não o ajudará em nada, nestes casos entra o aprendizado, o esforço, a disciplina necessários ao crescimento interior. No céu, Sol fazendo quadratura a Saturno exige algumas adaptações desagradáveis nesta fase, prepare-se!

No céu encontramos configurações astrológicas que trazem rompimentos e mudanças fortes (T-square entre Marte, Urano e Plutão – os briguentos brigando aff!) ao mesmo tempo existe espaço fértil para idéias criativas, arrojadas, apoios inusitados e excelentes conclusões (Triângulo de sêxtis e trigono formado por Urano, Vênus, Júpiter e Mercúrio).

Andar por estes caminhos celestes nesta semana exige uma espécie de mapa das bombas e minas,  a dica é andar, pois como disse Plutarco e Fernando Pessoa: “navegar é preciso, viver não é preciso“! (navigare necesse est, vivere non necesse).

SIGNO DO MÊS

CÂNCER

Nádia Oliveira

O Sol atravessa o quarto signo do zodíaco, o chamado signo de Câncer ou Caranguejo. Signo do elemento Água governado pela inquieta Lua. É um signo cardeal (como Áries, Libra e Capricórnio). Relaciona-se ao nosso princípio de proteção e cuidado, à sensibilidade e intensidade emocional.

O signo de Câncer  se relaciona com nosso lado mais criativo e romântico, de forte amor a família, casa e tradição. Intuitivo, é extremamante cuidadoso com aqueles que está envolvido. Possui profunda necessidade de segurança. Os cancerianos são muito bons em acumular coisas, sua ligação com a memória, o passado e as lembranças são fortes. O simbolo deste signo é um caranguejo, um animal de casca dura que possui um interior macio. Pode e usa suas garras quando se faz necessário proteger o que julga ser seu de direito. Normalmente quieto e retraído, se posiciona apenas quando julga ser muito necessário.

Qualidades/palavras chaves: Proteção,  maternal, memória, sensível, cuidadoso, doméstico,  nutrição, simpatia, popularidade, imaginação, percepção, colecionador, receptivo,  intuitivo, sentimental, romântico, terno, ligado a família, reservado, paciente e sutil.

PERSONAGEM CANCERIANO

REMBRANDT

“A pintura é a neta da natureza. Está relacionada com Deus”

Rembrandt

Rembrandt  van Rijn, nasceu em 1606 e é considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Sua reputação artística sempre foi elevada. Seu talento na pintura de retratos é fortemente reconhecido, em especial autoretratos, onde pintou a si mesmo, sem vaidade, aqui é interessante estabelecer um paralelo entre ele e Frida Kahlo, também canceriana que pintou inúmeros autoretratos, ai vale uma indagação, será isso um lado vaidoso do artista, e isso não seria mais cabível num temperamento mais leonino?

A própria Frida nos esclarece isso, e me parece que sua resposta serve também pra entender a personalidade de Rembrandt:

Pinto a mim mesmo porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor.” Frida Kahlo

Abaixo temos o mapa astrológico de Rembrandt, sem as casas, pela imprecisão de seu horário de nascimento. Mas podemos observar a força do elemento água em seu sensível  Sol (signo) em Câncer e sua Lua em Escorpião.

Atendeu a pedidos de vários membros da corte européia e se tornou reconhecido realmente pela sua maestria na pintura de retratos.  Teve uma vida familiar conturbada, com uma sequencia de perdas de filhos (perdeu três) apenas o quarto conseguiu sobreviver, logo após sofre a perda de sua esposa> Sua esposa adoecida no leito foi por ele retratada em uma sequencia emocionada na obra do pintor. Após sua morte teve uma conturbada vida amorosa, com empregadas, processos judiciais e até religiosos envolvidos. Uma dívida crescente o levou a ter uma vida dificil e tremendamente tumultuada (Marte e Urano em oposição).

Uma pura curiosidade que li sobre Rembrandt, é a conclusão que se chegou nos tempos atuais, de que o pintor era estrábido e sofria de uma alteração na estereopsia, o que dificultava enxergar tridimensionalmente, este problema virou uma grande solução para sua pintura, pois enxergava as imagens planas o que devia facilitar sua colocação em telas. É comum os pintores, fecharem um dos olhos para poder enxergar plano, o que o cérebro de Rembrandt já fazia normalmente. Curioso, é como possíveis limitações podem se tornar diferenciais de crescimento não?

   

Rembrandt - Lição de Anatomia do Dr Nicolaes Tulp (Detalhe), 1632

MENSAGEM DE DALAI LAMA

SOBRE COMPAIXÃO E BONDADE

DALAI LAMA nasceu Tenzin Gyatso, em 6 de julho de 1935, numa pequena vila na provincia de Amdo, noTibet. Aos dois anos de idade,  foi reconhecido como sendo a reencarnação do 13º Dalai Lama, maior autoridade religiosa budista do Tibet. Os Dalai Lamas são tidos como manifestações de Avalokiteshvara ou Chenrezig, o Bodhisattva da Compaixão e patrono do Tibet. Um Bodhisattva é um ser iluminado que adiou sua entrada no nirvana e escolheu renascer para servir à humanidade. Um excelente canceriano, que ao não poder estar em sua casa (teve que se exilar do Tibet) fez do mundo sua casa e da compaixão sua bandeira. Sempre bom lermos suas reflexões:

A raiva não pode ser superada pela raiva. Quando uma pessoa tiver um comportamento agressivo com você e a sua reação for semelhante, o resultado será desastroso. Ao contrário, se você puder se controlar e tomar atitudes opostas “compaixão, tolerância e paciência”, não só se manterá em paz, como a raiva do outro diminuirá gradativamente. Do mesmo modo, problemas mundiais não podem ser solucionados pela raiva ou pelo ódio. Sentimentos como esses devem ser enfrentados com amor, compaixão e pura bondade.

Pensem em todas as terríveis armas que existem, mas que, por si mesmas, não podem iniciar uma guerra. Por trás do gatilho há um dedo, movido pelo pensamento, não por sua própria força. A responsabilidade permanece em nossa mente, de onde se comandam as ações. Portanto, controlar em primeiro lugar a mente é muito importante. Não estou falando de meditação profunda, mas apenas de cultivar menos raiva e mais respeito aos direitos do outro. Ter uma compreensão mais clara da nossa igualdade como seres humanos.

Ninguém quer a raiva, ninguém quer a intranqüilidade, mas por causa da ignorância somos acometidos por sentimentos como esses. A raiva nos faz perder uma das melhores qualidades humanas, o poder de discernimento. Temos um cérebro bem desenvolvido, coisa que outros mamíferos não têm. Esse órgão nos permite julgar o que é certo e o que é errado. Não apenas em termos atuais, mas em projeções para daqui dez, vinte ou mesmo cem anos. Sem nenhum tipo de pré-cognição, podemos utilizar nosso bom senso para determinar o certo e o errado. Imaginar as causas e seus possíveis efeitos. Contudo, se nossa mente estiver ocupada pela raiva, perderemos o poder de discernimento e nos tornaremos mentalmente incompletos. Devemos salvaguardar essa capacidade e, para tanto, temos de criar uma companhia de seguros interna: autodisciplina, autoconsciência e uma clara compreensão das desvantagens da raiva e dos efeitos positivos da bondade. Se refletirmos a respeito dessas questões com freqüência, podemos incorporar a idéia e, então, controlar a mente.

Por exemplo: pode ser que você seja uma pessoa que se irrita facilmente com pequenas coisas. Com desenvolvida compreensão e conscientização, isso pode ser controlado. Se você fica geralmente zangado por dez minutos, tente reduzi-los para oito. Na semana seguinte, reduza para cinco e, no próximo mês, para dois. Depois, passe para zero. É assim que desenvolvemos e treinamos nossa mente. É o que penso e também o que pratico.

É perfeitamente claro que todos necessitam de paz interior, que só pode ser alcançada por meio da bondade, do amor e da compaixão. O resultado é uma família em paz, felicidade entre pais e filhos, menos brigas entre casais. Em uma nação, essa atitude pode criar unidade, harmonia e cooperação com saudável motivação. Em nível internacional, precisamos de confiança e respeito mútuos, discussões francas e amistosas, com motivações sinceras e um esforço conjunto no sentido de resolver problemas. Tudo isso é possível.

Precisamos, porém, mudar interiormente. Nossos líderes têm feito o melhor que podem para resolver nossos problemas, mas, quando um é resolvido, surge outro. Tenta-se solucionar este, surge mais um em outro lugar. Chegou o momento então de tentar uma abordagem diferente.

É certamente difícil realizar um movimento mundial pela paz de espírito, mas é a única alternativa. Caso houvesse outro método mais fácil e prático, seria melhor, porém não há. Se com armas pudéssemos chegar à paz duradoura, muito bem. Transformaríamos todas as fábricas em produtoras de armamentos. Gastaríamos todos os dólares necessários, se conseguíssemos a definitiva paz, mas tal é impossível.

As armas não permanecem empilhadas. Uma vez desenvolvidas, alguém irá usá-las. O resultado é a morte de criaturas inocentes. Portanto, a única maneira de atingirmos uma paz mundial duradoura é por meio da transformação interior. E, mesmo que essa transformação não ocorra durante esta vida, a tentativa terá sido válida. Outros seres humanos virão; a próxima geração e as seguintes. E o progresso pode continuar. Sinto que, apesar das dificuldades práticas, e, mesmo correndo o risco de que tal visão seja considerada pouco realista, vale a pena o esforço. Assim, aonde quer que eu vá, expresso essas idéias e sinto-me muito motivado porque mais pessoas têm sido receptivas a elas.

Cada um de nós é responsável por toda a humanidade. Chegou a hora de pensarmos nas outras pessoas como verdadeiros irmãos e irmãs e nos preocuparmos com seu bem-estar. Mesmo que você não possa se sacrificar inteiramente, não deverá esquecer-se das dificuldades dos outros. Temos de pensar mais sobre o futuro em benefício de toda a humanidade. Se você tentar dominar seus sentimentos egoístas e desenvolver mais bondade e compaixão, em última análise, você é quem irá sair beneficiado. É o que chamo de egoísmo sábio. Pessoas egoístas tolas só pensam em si mesmas, e o resultado é negativo. Egoístas sábios pensam nos outros, ajudam da melhor forma e também colhem os benefícios. Essa é minha simples religião. Não há necessidade de templos ou de filosofias complicadas. Nosso próprio cérebro, nosso coração são nossos templos. A filosofia é a bondade.

(Texto extraído da obra A Policy of Kindness, Snow Lion Publications, 1990.)

spacer

Leave a reply