04 de junho de 2012.

Olá,

No céu desta semana faço uma pequena homenagem a meu querido irmão que transformou-se neste final de semana em uma estrela.

O silêncio é neste momento o melhor bâlsamo.

Se as coisas são inatingíveis… ora! Não é motivo para não querê-las… Que tristes os caminhos se não fora A mágica presença das estrelas!

(Mario Quintana – Espelho Mágico)

Agradeço ao carinho e acolhimento de tantos amigos, beijos Nádia Oliveira

CÉU DO MOMENTO

O sol atravessa o signo de Gêmeos, favorecendo boas negociações e acertos amistosos. Aliás uma dica importante é buscar a via da negociação e evitar todo tipo de enfrentamento e concorrências explícitas e mais acirradas.

Procure reservar um tempo para atividades com amigos, isso poderá ser um forte apoio para recarregar a bateria da tensão e do estresse do dia a dia.

Eficiência e resultados positivos nos assuntos que envolvam testes, entrevistas, documentações, contratos etc. O único detalhe é aguardar  a lentidão no transcorrer do processo, geramente provocando impaciência e cansaço.

Para os mais românticos e passionais, é preciso “pegar muito leve”, cuidado com cenas muito intensas pois ações intempestivas podem dar um mau resultado. É preciso refrear os instintos mais agressivos.

Esta semana é marcada por um feriado religioso – Corpus Christi – pode ser uma boa oportunidade, independente de uma religião específica, buscar estabelecer um contato maior com o divino, com o espiritual. O céu astrológico aponta para um desafio, a busca de uma via espiritual sem cair na cegueira ou falsa ilusão, talvez seja a oportunidade de fazermos a nossa parte e só então esperar que dimensões mais espirituais possam atuar.

PRESENÇA

Mario Quintana

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas, teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento das horas ponha um frêmito em teus cabelos… É preciso que a tua ausência trescale sutilmente, no ar, a trevo machucado, as folhas de alecrim desde há muito guardadas não se sabe por quem nalgum móvel antigo… Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela e respirar-te, azul e luminosa, no ar. É preciso a saudade para eu sentir como sinto – em mim – a presença misteriosa da vida… Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista que nunca te pareces com o teu retrato… E eu tenho  de fechar meus olhos para ver-te!

Mario Quintana nasceu na cidade de Alegrete no Rio Grande do Sul, no dia 30 de Julho de 1906. Este leonino é um dos mais admiráveis poetas brasileiros e era um dos preferidos de meu irmão, Eduardo, falecido este final de semana e é com palavras de um poeta tão sensivel que faço aqui minha homenagem:

Eduardo Duda Felipe

Na mesma pedra se encontram, Conforme o povo traduz, Quando se nasce – uma estrela, Quando se morre – uma cruz. Mas quantos que aqui repousam Hão de emendar-nos assim: “Ponham-me a cruz no princípio… E a luz da estrela no fim!” (Mario Quintana – A Cor do Invisível)        
spacer

Leave a reply