05 de setembro de 2011

Olá,

Desejo neste céu desta semana celebrar a paz. Em tempos de conflitos como nestes anos que estamos vivendo,  torna-se imprescindível que um número maior de pessoas busquem se harmonizar e se apoiar na construção de um mundo mais equilibrado.

Aproveite para ouvir a música de Gilberto Gil – A Paz, na voz dele e de Carolina Ferraz que coloquei aqui no céu: ” a paz fez um mar da revolução”.

Vamos aproveitar as recordações de 11 de setembro e meditar sobre a paz. Para isto trouxe neste céu um pouco de paz e quem lutou por estas idéias: Leon Tolstói.

“Eis o que é terrível ainda mais que o sofrimento e a morte dos animais. É o facto de o homem, sem necessidade, suprimir a suprema susceptibilidade espiritual de sentir compaixão e piedade para com os seres vivos como ele.” Tolstoi

Boa semana e muita paz e amor!

Nádia Oliveira

CÉU DO MOMENTO

O Sol nesta semana transita pelo signo de Virgem formando  uma conjunção com o planeta Vênus. Este bom aspecto  propicia acertos e boas negociações. Somado com outras configurações astrológicas benéficas favorecem assuntos financeiros e negócios. Bom período para iniciar assuntos que ainda irão crescer e se desenvolver, ou seja, boa fase para investir em novas idéias e novos projetos.

Sol e Júpiter em bom aspecto favorecem bons resultados nos assuntos em que usarmos a força de nossa presença, ou seja, onde realmente colocarmos nossa vontade e firmeza poderemos vislumbrar um excelente horizonte.

Como vimos nas semanas anteriores, Mercúrio, planeta responsável pela comunicação, já voltou ao seu movimento direto, mas mesmo assim, ainda não contamos com sua rapidez e fluidez total (pois ainda sofre uma certa interferência de Netuno, planeta conhecido astrologicamente como responsável em envolver os assuntos em uma bruma de confusão e tormentos). Com esta combinação a dica mais óbvia é, procure cuidar com a precisão das palavras e tratar com maior atenção os assuntos que envolvem documentações e até mesmo senhas.

Mesmo movido pela pressão e emoção as ações tendem a ser propícias nestes dias. Mesmo assim minha recomendação é que se concentre e reflita pois a fase é perigosa para ações muito passionais.

Para quem está aguardando respostas ou questões pendentes a serem resolvidas nesta semana, novidades devem aparecer depois de quarta-feira.

EM TEMPOS DE PAZ

Nesta semana seremos provavelmente bombardeados com informações do aniversário de 10 anos do atentado as torres gêmeas norte-americanas de 11 de setembro. Vou poupá-los de tocar neste fato, mas vou aqui fazer um convite à meditação pela paz.

MANTRA da UNIFICAÇÃO

Os filhos dos homens são um e eu sou um com eles. Cuido de amar e não de odiar. Cuido de servir e não de exigir serviço. Cuido de curar e não de ferir.
Que a dor traga a devida recompensa de Luz e Amor. Que a Alma controle a forma externa, A vida e todos os eventos, E traga à Luz o Amor subjacente Aos acontecimentos do Tempo. Que venham a visão e a percepção interna. Que o porvir seja revelado. Que a união interna se demonstre. Que cessem as divisões externas. Que o Amor prevaleça. Que todos os homens se amem! ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

HOMENS QUE FIZERAM A HISTÓRIA DA NÃO VIOLÊNCIA

Em 1849, Thoreau escreve “Desobediência Civil”, onde incita que se siga a consciência e não se torne passivo. É um resgate da virtude moral e da liberdade. Seu texto influenciou Tolstoi, Gandhi e Martin Luther King. Esteve a frente de seu tempo, na luta contra a escravidão no EUA, direitos femininos e defesa do meio ambiente. Não é de estranharmos que tenha ascendente no rebelde signo de Aquário e o Meio do Céu em Sagitário, com Urano lá posicionado.

Os textos de Thoreau influenciaram o escritor russo Leon Tolstoi, autor de romances clássicos como Guerra e Paz e Ana Karenina. Tolstói muda completamente sua vida, adotando uma vida mais simples como camponês, tornando-se um vegetariano e um pregador do amor e da paz, questiona leis e religião, chega mesmo a ser expurgado da religião cristã ortodoxa. Tolstói e suas idéias influenciaram muito a Gandhi e ambos chegaram a trocar cartas.

Gandhi inspirado nas idéias, conduz uma verdadeira revolução na Índia, provocando a independência do reino britânico. Gandhi como Tolstoi adotou roupas e modo de vida simples. Divulgou a não violência e a desobediência civil como instrumentos de ação política.

Martin Luther King na década de 50 e 60, se torna porta voz dos direitos civis da população negra nos EUA. Luther King combinou as idéias de seus antecessores com uma ação firme política e foram grandes os avanços conseguidos na sociedade americana, a cultura da não violência foi a principal bandeira usada para o fim do conflito no Vietnã.

Estas idéias continuam a impulsionar milhares de pessoas até nossos dias, aliar a força e determinação para não se aceitar a injustiça com métodos não opressores e violentos – é a bandeira da paz e amor, palavras profundamente usadas no movimento hippie, mas aliadas a ações conscientes que conduzam a uma nova relação da sociedade entre sí e com o planeta.

PERSONAGEM VIRGINIANO

Leon Tolstoi

Hoje não poderia ser outro que não Leon Tolstoi. Virginiano que devemos tirar várias vezes “nosso chapéu”:  um dos maiores escritores de todos os tempos, pregou idéias de pacifismo, justiça social, respeito aos animais e amor ao próximo.

Entre as obras mais famosas de Tolstói posso citar: Cossacos, Guerra e Paz, Anna Karenina, O Reino de Deus está em Vós, A Morte de Ivan Ilitch, Ressurreição, Contos da Nova Cartilha e carta para um Hindu.

Léon Tolstói nasceu na Rússia em 09 de setembro de 1828 e faleceu em 1910. Tornou-se famoso por suas obras, mas atormenta-se com questões religiosas, filosóficas e existenciais. Aos poucos faz uma verdadeiramente revolução em sua vida e em suas idéias, mudando totalmente hábitos e vivendo uma vida mais natural e simples, vestia-se e vivia com um simples camponês. Mas apesar do pacifismo que cercava suas idéias, sofreu perseguição política e religiosa, mas nada de mais grave o aconteceu, devido a sua imensa popularidade.

Tolstoi era virginiano de Sol na casa 4, ligado a família e suas raízes (teve 13 filhos e um casamento de 48 anos). Seu ascendente em Câncer e a Lua, regente deste ascendente também se encontra na Casa 4 no signo de Virgem.

“A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família.” Tolstói

A busca de uma vida mais natural e simples, podem vir destas características, mas fortemente inspiradas em seu MC no signo de Aquário. Era movido por um sentimento forte de liberdade e justiça social. O Sol forma trígono com Netuno e sextil com Júpiter dá a ele um forte senso de compaixão.

A Lua, regente de seu ascendente faz um belo aspecto com Urano, fazendo dele um indivíduo sempre buscando a inovação e uma maneira de viver diferenciada cercada por idéias polêmicas.

Uma curiosidade cerca o fim de sua vida, quando aos 82 anos de idade, cansado de sua vida em família e a provável crítica que sofria de seus familiares por suas idéias e forma de viver, resolve fugir de casa rumo a um mosteiro. No caminho morre devido a uma forte pneumonia. Seu enterro é acompanhado de milhares de pessoas, ele era naquele momento a personalidade mais popular da Russia. Mario Quintana, escreve um lindo poema sobre esta fuga, na qual tem um verso inspirado – ela (a morte) sempre chega pontualmente na hora incerta – leia na íntegra o poema:

Poema da gare de Astapovo

O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos E foi morrer na gare de Astapovo! Com certeza sentou-se a um velho banco, Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo Contra uma parede nua… Sentou-se …e sorriu amargamente Pensando que Em toda a sua vida Apenas restava de seu a Gloria, Esse irrisório chocalho cheio de guizos e fitinhas Coloridas Nas mãos esclerosadas de um caduco! E entao a Morte, Ao vê-lo tao sozinho aquela hora Na estação deserta, Julgou que ele estivesse ali a sua espera, Quando apenas sentara para descansar um pouco! A morte chegou na sua antiga locomotiva (Ela sempre chega pontualmente na hora incerta…) Mas talvez não pensou em nada disso, o grande Velho, E quem sabe se ate não morreu feliz: ele fugiu… Ele fugiu de casa… Ele fugiu de casa aos oitenta anos de idade… Não são todos que realizam os velhos sonhos da infância!
spacer

Leave a reply